Show do Criança Esperança terá obras da artesã do Vale Dona Isabel Nunes

22/08/2011 22:00

No último bloco do programa, as bonecas de barro da artesã Isabel Nunes, do Vale do Jequitinhonha, estarão no palco do show. Elas sofrerão interferência da metrópole e da modernidade, características da região Sudeste.

ISABEL MENDES DA CUNHA é de Santana do Araçuaí, no Município de Ponto dos Volantes, Vale do Jequitinhonha-MG.

 

Dona Isabel (Isabel Mendes da Cunha), nasceu em 1924 e é certamente a mais famosa artesã que trabalha com barro no Vale do Jequitinhonha. Exerce o seu ofício, "mexe com o barro", no pequeno vilarejo de Santana do Araçuaí no Município de Ponto dos Volantes.

Filha de louçeira, que possuía um saber ancestral obtido de seus antepassados indígenas, cresceu vendo a mãe trabalhar. No início sua relação com o barro aconteceu como todas as crianças do interior. Na infância modelava com argila objetos para as suas brincadeiras.

Foi aí que surgiu o sonho de fazer bonecas que só se materializou muitos anos após, já na idade adulta. Já casada e depois viúva, Dona Isabel, no esforço de criar seus filhos, fugindo das dificuldades de ganhar o pão de cada dia no trabalho na roça, passou a produzir potes, travessas, figuras de presépios, que eram vendidas nas feiras da região.

Nesta época suas criações se destacavam em meio às outras graças à sua inventividade e o capricho na modelagem e decoração das peças.
Muitos anos após, quando foi “descoberta” já com 44 anos, em 1978, é que surgiram suas mais famosas criações - as bonecas - que hoje tem fama no Brasil e no exterior.
Como bonequeira criou imagens representando o povo da região em noite de gala, especialmente mulheres, em diversas situações especiais do cotidiano: Noivas vestidas de branco com arranjos e buquês, noivos elegantemente vestidos com terno e gravata, madrinhas, grávidas amamentando, preparativos para festas,procissões etc.

Algumas das peças chegam a medir de 1,5 metros de altura. São minuciosamente enfeitadas, decoradas. As mulheres são apresentadas com olhos, cílios, lábios e unhas pintadas, e penteados impecáveis. Todas portam colares, brincos e outros enfeites. Sonhos de glamour de um povo sertanejo sofrido que vive numa das mais pobres regiões do país, assolada regularmente por secas
e enchentes.

 

Por Bernardo Vieira – Blog do Jequi

 

Fonte : Blog Do Banu