Juíza que investigava sumiço de Eliza Samudio tenta suicídio

09/08/2011 00:21

Maria José Starling, acusada de tentar extorquir a noiva do ex-goleiro, foi encontrada deitada em sua cama

 

Renata Evangelista e Thiago Ricci - Do Portal HD (*) - 8/08/2011 - 18:24. Última Atualização: 20:17

Bruno está preso preso na penitenciária Nelson Hungria

 

A juíza Maria José Starling, acusada de tentar extorquir a noiva do ex-jogador Bruno Fernandes em R$ 1,5 milhão, teria tentado suicídio na tarde desta segunda-feira (8). A Polícia Militar foi acionada por um amigo da magistrada e precisou arrombar o portão da casa para socorrê-la.

Os militares disseram que o amigo da juíza leu no início da tarde desta segunda-feira um e-mail enviado por ela na sexta-feira. Na mensagem, ela dizia que iria se matar. Desesperado, o homem chegou a ligar para a magistrada, mas não conseguiu entender o que ela falava.

Ele, então, foi até a casa dela, no Bairro Santa Lúcia, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, e chamou a PM. Quando os militares entraram na residência, encontraram Maria José deitada na própria cama coberta por um edredon. Sete cartelas dos remédios Rohypnol, Noctal e Sinvastin estavam em uma estante.

Os policiais também encontraram um telefone jogado na cama dela, além de R$ 610 em dinheiro. Na gaveta do criado-mudo, estava um revólver calibre 38. Ela foi levada com sinais vitais ao Hospital da Unimed. A arma foi entregue a um parente da magistrada.


Extorsão

Maria José Starling foi afastada do cargo em julho deste ano, após Ingrid Calheiros, noiva de Bruno, denunciar para a Comissão de Direitos Humanos e de Segurança Pública da Assembleia Legislativa que a magistrada estava pressionando para a contratação do advogado Robson Martins Pinheiro. Segundo Ingrid, a juíza teria garantido que o defensor conseguiria a libertação do goleiro mediante pagamento de R$ 1,5 milhão.

Na ocasião, Maria José Starling era uma das responsáveis pela investigação do desaparecimento e possível assassinato da modelo Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno. A juíza negou as acusações, mas escutas telefônicas feitas com autorização da Justiça comprovaram as ligações telefônicas entre a magistrada e Ingrid.

Bruno foi preso em julho do ano passado, acusado do assassinato da modelo Eliza Samúdio, de quem havia sido amante. Ela alegava ter um filho do goleiro. Exames de DNA comprovaram a paternidade. Apesar de principal suspeito, não existem provas materiais do crime.

Entenda o caso

O desaparecimento de Eliza completou um ano no último dia 5. Em junho de 2010, ela teria sido convidada para negociar o reconhecimento da paternidade de seu filho com o ex-goleiro. Apesar de o corpo da modelo nunca ter sido encontrado, a investigação concluiu que Eliza teria sido espancada e asfixiada até a morte. No dia 4 de junho de 2010, ela fez um último contato por telefone com uma amiga. O ex-goleiro do Flamengo é apontado como o mandante do crime e vai responder por sequestro, cárcere privado, homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

Na próxima quarta-feira (10), os acusados de envolvimento no desaparecimento de Eliza Samudio vão participar de uma audiência na 4ª Câmara Criminal de Minas Gerais. O desembargador Delmival de Almeida Campos irá presidir a decisão e vai decidir se os acusados vão a júri popular.

(*) Com Ievâ Tatiana

 

 

 

Tags:  Caso Bruno, Eliza Samudio, desaparecimento, juíza Maria José Starling