Disputa por lote provoca agressão a vereador do PT na Câmara de Araçuaí

27/09/2011 22:37

 Vereador Arcanjo Nunes  do PT de Araçuaí

 

A disputa por um lote no bairro Nova Esperança, um dos mais carentes da periferia de Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha, por pouco não terminou em pancadaria na manhã de terça-feira ( 27/09) no recinto da Câmara de Vereadores.

O trabalhador braçal, Marcos Esteves Silva, 35 anos, agrediu com um soco o vereador petista  Arcanjo Nunes, 57 anos.A confusão aconteceu  no plenário da Câmara. 

Marcos esteves  acusa o vereador de ter invadido 3 metros de um lote que ele diz ser proprietário, construindo uma base para construção de uma casa. “ Ele fez uma covardia. Está querendo roubar terreno de um pobre coitado como eu. Fui na Câmara para apanhar cópia de uma lei sobre a legalização dos terrenos do bairro, para provar que o lote é meu. Encontrei com o vereador e começamos a discutir sobre a situação. Quando ele falou que não queria mais conversa, perdi a cabeça e sentei a mão na cara dele. Ele caiu sentado na cadeira e foi socorrido pelo vereador Elias”, contou Marcos Esteves.

A Polícia Militar foi acionada e registrou Boletim de Ocorrências.

Procurado pela reportagem, o vereador deu sua versão, dizendo  que possui dois lotes na rua José Antonio Araújo 222, no bairro Nova Esperança, adquirido  há 13 anos de um parente já falecido. Os lotes, segundo ele, pertenciam ao município. “  Comprei na época em que Cacá era prefeita”, disse o vereador, referindo-se à ex-prefeita Maria do Carmo Ferreira da Silva. “ Pelos lotes eu paguei R$ 600 reais, além de um som, uma caixa de fitas cassetes e um jogo de sofá. Tenho recibo de compra e venda desses lotes”, afirma o vereador. “  Já faz uns três meses que este senhor vem me ameaçando, dizendo ser dono dos lotes”, afirmou Arcanjo Nunes.

“ Ele está falando que eu estou querendo invadir lote dele. É mentira. Hás três meses que estou conversando com ele sobre isso. Queria construir minha casa. Não quero saber de encrenca. Vou deixar isso pra lá”, disse Marcos Esteves em entrevista ao Gazeta por telefone. Ele vive de favor  em uma casa pertencente ao seu sogro no bairro Canoeiros com a mulher e dois filhos.

O caso foi encaminhado à Delegacia de Polícia local.O vereador Arcanjo Nunes, que a princípio não queria dar a entrevista, pedindo para que o caso não fosse publicado, disse que vai pedir que a Polícia Militar dê segurança aos vereadores, " pelo menos nos dias de reuniões", salientou o vereador.